30 de abr de 2010

KANNTAH NNAYWEBCKNN


Depois da névoa da tarde                                                                                           Willian Turner
eu olho o velho navio.
No longo dorso desbotado,
as marcas das esporas cossacas
mancham o negro da pele:
digitais dos sete mares,
desenhos de lascas de gelo,
feridas dos portos.

Na praça a estátua do ditador
com as mãos eternamente às costas
olha sem ver a alma russa atormentada
pelas lembranças das tempestades,
enquanto os pardais fazem ninho
na feia cabeça de bronze.

O impronunciável barco remexe com seu casco
o lodo do fundo da baía
e suas chaminés rastreiam o ar dourado
contando histórias perdidas
de mulheres gigantes em planícies geladas,
histórias de sonhos e coragem
que ficaram ocultas
em cidades de papel
à espera das escavações que descobrissem
um novo sentido aos signos.

( Margareth Franklin  in Terra, 1998. BH, Por Ora Editora)

Nenhum comentário:

Postar um comentário