24 de mar de 2010

Basquiat
A Máquina do Mundo
Carlos Drummond de Andrade


E como eu palmilhasse vagamente
uma estrada de Minas, pedregosa,
e no fecho da tarde um sino rouco
se misturasse ao som de meus sapatos
que era pausado e seco; e aves pairassem
no céu de chumbo, e suas formas pretas
lentamente se fossem diluindo
na escuridão maior, vinda dos montes
e de meu próprio ser desenganado,
a máquina do mundo se entreabriu
para quem de a romper já se esquivava
e só de o ter pensado se carpia.
Abriu-se majestosa e circunspecta,
sem emitir um som que fosse impuro
nem um clarão maior que o tolerável
pelas pupilas gastas na inspeção
contínua e dolorosa do deserto,
e pela mente exausta de mentar
toda uma realidade que transcende
a própria imagem sua debuxada
no rosto do mistério, nos abismos.
Abriu-se em calma pura, e convidando
quantos sentidos e intuições restavam
a quem de os ter usado os já perdera
e nem desejaria recobrá-los,
se em vão e para sempre repetimos
os mesmos sem roteiro tristes périplos,
(...)

21 de mar de 2010



Cultura em BH: triste horizonte

       Da janela lateral, uma esquina inesquecível: Aimorés com Maranhão, quase Serra. Casarão antigo, Bar Brasil dos frementes anos 80, 90,2000 acima até acabar espigão sem graça, diamante de blindex e granito, compacto, violento, monumento à barbárie do capital e da técnica. A memória não vale mais nada. E aceitamos com uma passividade surpreendente eles levarem mais do que nosso jardim inteiro. Já estão levando nossa história enquanto inventam desejos, mitos e ídolos para acreditarmos pela televisão.
        O Bar Brasil condenado por uma ação irresponsável do administrador público e/ ou dos proprietários a virar uma portaria, na melhor hipótese, de um poderoso condomínio. A clareira formada pela esquina e a rua sem saída numa cidade com tão poucas praças e largos será preenchida por mais uma torre, prejuízo ambiental maior que a própria casinha sempre azul, de venda, linda, o Bar Brasil, querido para a cidade.
      Também querem nos privar da Praça da Estação, onde o PT comandou o mais belo comício do mundo, para milhares de pessoas que, debaixo de chuva, em 1989 ,gritavam Lula lá. Agora, BH na contramão e a praça fica proibida às grandes manifestações, mesmo as religiosas. Aliás, são as manifestações religiosas que mais usam e danificam a Praça hoje em dia, pois, a política deixou de usar as praças preferindo os bastidores e os movimentos sociais, enfraquecidos, não estão em fase de ocupar e resistir grandes espaços.
       Agora, o FIT foi cancelado e BH sem Festival este ano.
       Que é isso companheiros? Vocês não acham que a essa altura, piorar na Cultura é um contra senso?
       Quer dizer, é preciso um esforço coletivo e gigantesco para mudar mentalidades, construir valores civilizatórios e padrões éticos de convivência comum, impossível sem a educação e a cultura. Precisamos frear o trem descarrilhado do progresso entendido como afirmação da lógica do capital e substituir por uma lógica do humano, da sustentabilidade que é ainda só uma palavra, antes que o planeta se despedace. Precisamos da liberdade da arte para reinventar a realidade, para saber das suas infinitas possibilidades, para sonhar...
         Numa cidade longe do mar, com pouquíssimas praças e áreas de lazer coletivo, a arte e todas as manifestações da cultura, inclusive a cultura política, fazem parte da vida dos cidadãos, são a sua praia. O Festival de Teatro tem sido um desses belos momentos de arte coletiva, de fascínio da multidão seduzida pelo espetáculo. E vem uma turma tosca e confunde FIT com Copa do Mundo e eleições gerais em outubro!?!
          FIT, Praça da Estação e Bar Brasil: triste horizonte...

(Margareth Cordeiro Franklin )

16 de mar de 2010

Análise: LUIZ BOLOGNESI

( roteirista de filmes como Bicho de Sete Cabeças e Chega de Saudade)

O Oscar e o Avatar

Ao contrário do que parece à primeira vista, a polarização entre Avatar e Guerra ao Terror não traduz uma disputa entre cinema industrial e cinema independente, nem batalha entre homem e mulher. O que estava em jogo e continua é o confronto entre um filme contra a máquina de guerra e a economia que a alimenta e outro absolutamente a favor, com estratégias subliminares a serviço da velha apologia à cavalaria.
Avatar foi acusado nos Estados Unidos de ser propaganda de esquerda. E é. Por isso é interessante. No filme, repleto de clichês, os vilões são o general, o exército americano e as companhias exploradoras de minério do subsolo. Os heróis são o "povo da floresta". A certa altura, eles reúnem todos os ''clãs'' para enfrentar o invasor americano. Clãs? Invasor americano? Que passa? É difícil entender como a indústria de Hollywood conseguiu produzir um filme tão na contramão dos interesses do país e transformá-lo no filme mais visto na história do cinema. Esse fato derruba qualquer teoria conspiratória, derruba décadas de pensamento de esquerda segundo a qual a indústria de Hollywood está sempre a serviço da ideologia do fast-food e da economia que avança com mísseis, aviões e tanques. Como explicar esse fenômeno tão contraditório? (...)
Guerra ao Terror estreou no Festival de Veneza há dois anos. Por acaso eu estava lá como roteirista de Terra Vermelha, do diretor italiano Marco Bechis, e fui testemunha ocular da história. O filme da diretora Kathryn Bigelow foi absolutamente desprezado pelos jornalistas e pelo público. E seguiu assim. Indo direto ao DVD, em muitos países, sem passar pelas salas de cinema. Até ser resgatado pela indústria americana como um trunfo necessário para contestar Avatar e reverenciar a máquina de guerra e o sacrifício de tantos jovens americanos mortos e decepados em campo de batalha.
Guerra ao Terror venceu o Oscar porque, como nos filmes de forte apache, transforma os assassinos que dizimam outras culturas em heróis santificados. A cena extremamente longa e minimalista em que os jovens soldados americanos em situação desprivilegiada combatem no deserto os iraquianos é o que, se não uma cena clássica de caubóis cercados por apaches? Sem nenhuma surpresa para filmes desse gênero, os garotos americanos vencem, matam os iraquianos sem rosto, como os caubóis faziam com os apaches no velho-oeste. A cena do garoto iraquiano morto, com uma bomba colocada dentro do corpo por impiedosos iraquianos, que literalmente matam criancinhas, tem a sutileza de um elefante numa loja de cristais. Propaganda baratíssima da máquina de guerra.
No filme de Cameron, os na"vi azuis podem ser os apaches que derrotam o general e expulsam a cavalaria americana. Mas isso é apenas uma ficção. Na vida real do Oscar, a cavalaria precisa continuar massacrando os apaches.


14 de mar de 2010

De Chirico
Mesmo assim eu guardo papéis
Construí sobre seus desertos
Mais cidades do que os homens
com suas ambições por ruínas.


E A MORTE PERDERÁ O SEU DOMÍNIO


Dylan Thomas

E a morte perderá o seu domínio.

Nus, os homens mortos irão confundir-se

com o homem no vento e na lua do poente;

quando, descarnados e limpos, desaparecerem os ossos

hão-de nos seus braços e pés brilhar as estrelas.

Mesmo que se tornem loucos permanecerá o espírito lúcido;

mesmo que sejam submersos pelo mar, eles hão-de ressurgir;

mesmo que os amantes se percam, continuará o amor;

e a morte perderá o seu domínio.



E a morte perderá o seu domínio.

Aqueles que há muito repousam sobre as ondas do mar

não morrerão com a chegada do vento;

ainda que, na roda da tortura, comecem

os tendões a ceder, jamais se partirão;

entre as suas mãos será destruída a fé

e, como unicórnios, virá atravessá-los o sofrimento;

embora sejam divididos eles manterão a sua unidade;

e a morte perderá o seu domínio.



E a morte perderá o seu domínio.

Não hão-de gritar mais as gaivotas aos seus ouvidos

nem as vagas romper tumultuosamente nas praias;

onde se abriu uma flor não poderá nenhuma flor

erguer a sua corola em direcção à força das chuvas;

ainda que estejam mortas e loucas, hão-de descer

como pregos as suas cabeças pelas margaridas;

é no sol que irrompem até que o sol se extinga,

e a morte perderá o seu domínio.