14 de abr de 2010

PANDORA

Na mitologia grega, Pandora (do grego: Πανδώρα, "a que tudo dá", "a que possui tudo"[1]) foi a primeira mulher, criada por Zeus como punição aos homens pela ousadia do titã Prometeu em roubar aos céus o segredo do fogo. (Wikipédia)



O nome Pandora no filme Avatar, de James Cameron, não aparece por acaso. A mensagem do filme diz respeito à nossa condição de seres interligados a um centro vital que é nosso próprio planeta e aplica-se bem à Terra em crise aguda da chamada civilização.Em Avatar, as peles diferentes e a consciência planetária oposta fazem dos humanos os inimigos cuja tecnologia avançada ameaça de destruição o planeta Pandora. Os humanos são os vilões ávidos de riqueza e poder, predadores ferozes que já haviam destruído a natureza do mundo de onde vinham. Os bilhões de humanos que viram o filme, certamente sentiram-se tocados pela mensagem da necessidade de uma mudança de atitude em relação ao planeta e, por um instante, viveram a possibilidade de se  identificarem com heróis improváveis e cheios de consciência coletiva.  
Na Terra, segundo no mito de Pandora, o fogo sagrado do conhecimento foi roubado por Prometeu e este tornou os humanos superiores em relação aos demais animais e à própria natureza. Os deuses puniram Prometeu que passou a viver preso com as vísceras eternamente devoradas por um abutre. Também enviaram Pandora, criada à semelhança das deusas mais belas, para a Epimeteu, o irmão de Prometeu. Para punir os humanos, ou por temer os resultados do que fariam com o conhecimento que agora possuíam,  os deuses mandaram junto com Pandora uma caixa que nunca deveria ser aberta. Mas Epimeteu, curioso, abriu  a caixa  e a partir daí, todos os males voaram para o mundo e fomos castigados para sempre, sujeitos à morte, aos desastres naturais, às doenças e  a outros sofrimentos.
Pandora, o planeta do filme Avatar, representa uma imagem invertida do mito grego, pois, havia harmonia total entre os seres Na’vi e os seus deuses, a quem eram ligados pela natureza. Essa ligação aponta um outro caminho para o uso do conhecimento e. todos partilhavam em rede, no círculo da vida, a metáfora do paraíso. Pandora cria e não destrói e a inversão ao mito é com certeza a mais bela narrativa do filme.
 O círculo da vida dos Na’vis é certamente inspirado no célebre A dança, de Matisse, e a mesma noção do pintor da necessidade da arte como superação dos limites humanos em favor de uma alegria de viver, tão necessária quando tudo parece não ter mais saída, parece simbolizar a força que buscam na rede da vida o que os protegerá da destruição.
Outro artista, o surrealista Magritte, também está presente em Avatar nas montanhas suspensas de Pandora, como a falar das múltiplas realidades sob a aparência das coisas. Cameron se apropria, à sua moda, de fragmentos da linguagem artística humana para defender o bom uso do conhecimento e para lembrar que o uso que os humanos fizeram dele até hoje  resultou quase sempre em destruição.
Depois do Haiti, Chile e agora China, que sofreram com violentos terremotos, fora outros tremores menores que têm sacudido o planeta, além das chuvas exageradas em SP e  RJ, aqui tão perto, devíamos prestar mais atenção ao recado da Terra exausta e violentada. A resposta está vindo na mesma proporção do descaso humano com a sua casa.

(Margareth - dedico este  texto ao Lélio, que gostou do filme e respeita profundamente as pessoas e o planeta.)

Nenhum comentário:

Postar um comentário