22 de jul de 2011

                         Land art: vários artistas

"Nunca houve um monumento da cultura que não fosse também um monumento da barbárie. E assim como a cultura não é isenta de barbárie, não o é tampouco, o processo de transmissão de cultura" (Walter Benjamin)

Avós 

 
Minha avó Solaia morreu com 104 anos. Ela era uma Naknenuk.
Tenho orgulho de descender desse povo bonito e guerreiro, por isso mesmo alvo de uma implacável política de extermínio.Solaia era conhecedora dos segredos das matas, dos animais, plantas, fontes de água. Era senhora de um mundo selvagem  que fazia o inferno dos brancos
Grupos hostis aos propósitos civilizadores, como os indígenas do Vale do Mucuri e do Rio Doce, em Minas Gerais do século XVIII e XIX, mereceram a identidade de selvagens e foram considerados obstáculos que precisavam ser removidos para a marcha  da civilização. 
Mereceram também o nome genérico e ofensivo de Botocudos, dado pelos portugueses a diversos povos histórica e geneticamente heterogêneos do grupo lingüístico macro-jê (etnias Pojixá, Jiporok, Naknenuk, Nakrehé, Etwet, Krenak). 
A  guerra contra os Botocudos durou mais de um século . Para isto as tropas oficiais usaram desde cães treinados e alimentados com carne de indígenas até contaminação proposital com sarampo e varíola. 
Quando pegaram Solaia, quase uma menina, a guerra estava no fim. Já eram os tempos  dos ingleses e dos boatos sobre uma estrada de ferro no Vale.
As lembranças de Solaia são parte das  narrativas familiares, fábulas que desde criança eu ouvi contar. São também parte do acervo das memórias de um grupo excluído, marginalizado. Minorias,  que com suas “memórias subterrâneas”, opõem-se à "memória oficial"(POLLAK:1989). 
Solaia e os seus sabiam que um território é  o chão mais a identidade  (Milton Santos,1999,8). Por isso valia a pena morrer lutando. Podem ter perdido a terra, a floresta, a vida, mas vamos sempre lembrar do seu desejo de liberdade. 
(Fotos: botocudos- Vale do Rio Doce - início do Século XX /  pinturas de Debret e Rugendas- Sec. XIX)
Alexander Calder

Os artistas não temem a solidão.
Antes fazem dela aliada
na busca incansável por imagens
que viram linguagens e depois
tornam a virar imagens
para alimentar a imaginação humana.

Quem iria prestar atenção ao ambulante
que carrega dezenas de bolas coloridas às costas
como se fosse um Atlas a carregar mundos?

Quem se importa com os desenhos
que os galhos derrubados das velhas árvores
fazem no chão depois da ventania ?

Quem captura um sorriso
jogado ao ar das ruas da cidade?
Ou o brilho no olhar de alguém
que passa com pressa,
esgueirando-se no tráfego?

Quem vê as formas das nuvens
ou as gotas de chuva?
Quem trata de guardar os sons
dos insetos na mata sob o sol?

Quem ainda acredita em utopias
como o desejo de liberdade?
Quem não sucumbe ao medo da morte
 porque sabe muito sobre
o quanto vale a vida?

Por isso os artistas são tão temidos.
Por desvendarem outra lógica
que a obedecida pela maioria.
Ou outra ordem que é capaz
de contrariar interesses ou verdades.
Por isso muitos são submetidos  às agruras da escassez,
do anonimato, do esquecimento, das traições.

Os que veneram o poder e as riquezas
e os que se vendem a esses,
pagam o preço alto de perder
o encanto do acaso,
o inesperado das formas,
a sensibilidade tátil do mundo.

A esses a arte nunca se mostrará.
Porque mesmo que se mostrasse
eles jamais seriam capazes de perceber. 

Margareth Franklin in Arte Movimento