18 de jun de 2010

O conto da ilha desconhecida- José Saramago

(...)Tinha-lhe desejado felizes sonhos, mas foi ele quem levou toda a noite a sonhar. Sonhou que a sua caravela ia no mar alto, com as três velas triangulares gloriosamente enfunadas, abrindo caminho sobre as ondas, enquanto ele manejava a roda do leme e a tripulação descansava à sombra. Não percebia como podiam ali estar os marinheiros que no porto e na cidade se tinham recusado a embarcar com ele para ir à procura da ilha desconhecida, provavelmente arrependeram-se da grosseira ironia com que o haviam tratado.



Adeus, Saramago
O mundo hoje ficou mais pobre.
Nós ficamos mais sozinhos, mais cegos, mais ofuscados pela imensa claridade artificial do que construímos à imagem e semelhança com o que temos de pior... 



Um comentário:

  1. Parabéns pela homenagem ao grande Saramago! É difícil encontrar um homem dessa estatura, que tenha realmente alguma coisa a dizer!
    Não se vendeu aos podres poderes por trinta moedas!
    Permanece em suas obras na força de sua personalidade marcada pela luta pela justiça e a dignidade humana!!!

    Moisés Augusto Gonçalves (Prof. Catatau)

    ResponderExcluir