11 de fev de 2010



 Conheço mulheres e homens que
por razões diversa ou gosto de paixão
seriam capazes de deixar rosas vermelhas
nas mãos de bronze de Drummond e Pedro Nava
plantadas à sombra do velho Métropole,
fantasma que se diverte com a cena.
A visão das rosas frescas e vermelhas
 e eles conversando lá atrás.
No tempo em que eram jovens demais
para saber que ainda virariam estátuas.
 O instante aberto entre o espaço e o tempo
a imaginação, o sexto e mais forte dos sentidos
e lá estavam os dois jovens, a subir a Rua da Bahia.

Vitrais, pardais, azul do céu e dourados em esquinas.
O vento guia o cheiro das rosas em direção ao presente.

Um comentário:

  1. Alo Margarida.Já tentei colocar inúmeros comentários por aquí, mas nunca que entram.
    O seu blog esta uma lindura. Continue.
    Solange a Ayres

    ResponderExcluir